Festa de Cristo Rei – Último Domingo do Tempo Comum

22/11/2018
cifsj

“O meu reino não é deste mundo”– Jo 18,33b-37 – Celebra-se neste domingo a Festa de Cristo Rei, conclui–se o Ano B do ano Litúrgico e é dia de encerramento do Ano do Laicato. O Evangelho narra um diálogo privado entre Jesus e Pilatos, no processo de condenação de Jesus. Pilatos é representante do Império mais poderoso da época, e Jesus é o réu que se confessa como “testemunha da verdade”. Pilatos quer saber a verdade presente nesta figura estranha que está ali atado diante dele. “És tu o rei dos judeus?” Jesus dá uma resposta, certamente inesperada para Pilatos: “meu Reino não é deste mundo”. Jesus não é rei nos moldes de Pilatos e dos “reis das nações, que dominam e tiranizam”. Aliás, a realeza de Jesus sofre incompreensões até nossos dias. Muitas vezes busca-se caracteriza-la como poder, majestade, soberania, distância, diante do qual se sofre de temor. Jesus não pretende ocupar nenhum trono, nem disputar poder. Ele não pertence ao sistema no qual Pilatos e tantos poderosos se movem: injustiça e poder dominador, com força das armas e na exclusão dos pobres. Sua realeza provém do imenso amor de Deus, da misericórdia sem limites. Ele é rei e veio ao mundo para reinar a partir da verdade. Jesus, diante da provocação de Pilatos, afirma com firmeza: “eu sou rei… vim a este mundo para ser testemunha da verdade”. Esta verdade da  Jesus é testemunha, não é uma doutrina teórica, mas um projeto de vida que traz “vida plena”. Ser fiel ao evangelho de Jesus é uma experiência que leva ao coração do sentido da existência, uma existência livre, plena, voltada ao absoluto de Deus. Seu poder sua autoridade provém de outra fonte e se manifesta em gestos e palavras de compaixão para os que mais sofrem, os pequenos, os pobres, os sem poder. A realeza de Jesus é um reino diferente: Um rei que veio para servir e salvar. Um soberano capaz de aceitar uma coroa de espinhos. Um Rei cujo trono foi uma cruz no alto de um monte. Cruz que se tornou símbolo de vitória para nós. Esse Reino cresce onde se manifesta a atitude de serviço, a doação generosa em favor dos irmãos, onde cresce o respeito pelos outros, o diálogo, o perdão, a solidariedade… a justiça… o amor… A festa de Cristo Rei é assim ocasião para se repensar o conceito da realeza atribuída a Jesus.

Ir. Zenilda Luzia Petry – FSJ