Saboreando a Palavra dia 20/01

19/01/2019
cifsj

Fazei tudo o que ele vos disser – Jo 2,1-11 – Após o ciclo litúrgico do Natal inicia o Tempo Comum, tempo este em que se revive os principais Mistérios da Salvação. Introduzindo este tempo, temos uma narrativa do Evangelho de João, mesmo que este ano seja o Evangelho de Lucas que mostrará o caminho de Jesus e o convite para o discipulado. A narrativa das Bodas de Caná é muito propícia para nos colocar frente ao significado mais profundo do ministério de Jesus, apontado no seu batismo, festa do domingo anterior. Na teologia joanina, esta primeira intervenção de Jesus na realidade humana, é compreendida como “sinal”, ou seja, “sinaliza” para além do que se pode ver. Com a imagem de um casamento, o evangelista vai revelar que a festa do Reino já está acontecendo. Jesus é o Noivo, que já está no mundo, para celebrar o casamento de Deus com a humanidade. Por meio de linguagem simbólica, tão própria de João, o cenário do casamento faz eco à Aliança entre o povo de  Israel e o seu Deus. Nesta relação veio a faltar o “vinho”, símbolo do amor entre o esposo e a esposa, da alegria e da festa. A antiga “aliança” tornou-se uma relação seca, sem alegria, sem amor e sem festa, que já não proporciona o encontro amoroso entre Israel e o seu Deus. Esta realidade de uma “aliança” estéril e falida é representada pelas “seis talhas de pedra destinadas à purificação dos judeus”. Elas são em número de seis (=imperfeição) e são de pedra, símbolo da antiga lei que já não mais gera vida, pois estão “vazias”.  Neste contexto podemos observar os personagens presentes. Ali está a “mãe”, aquela que se antecipa e informa: “não têm mais vinho”. Poderia ter dito isto ao “chefe de mesa”, ou aos serventes diretamente, mas se dirige a Jesus, o grande “servente”, o Servo. Aponta o caminho a seguir. No evangelho, o chefe de mesa, o responsável de zelar pela alegria da festa, representa as lideranças religiosas dos judeus que não percebem que falta o essencial desta festa de casamento, que falta a vida do povo. Os “serventes” vão colaborar com Jesus “fazendo tudo o que ele vos disser”. A “mãe”, presente nestas bodas, é a primeira evangelizadora nesta nova “obra” de Jesus, de realizar uma profunda “transformação”. As seis talhas vazias que serviam para a purificação, agora servem para a salvação, pois há uma “sétima talha” transbordante do “melhor vinho”. Jesus é esta “sétima talha” que faz a seis transbordar. A perspectiva de “vida em plenitude” é  revelada por este primeiro “sinal”. Esta festa de plenitude de vida, para nós Irmãs Franciscanas de São José,  quer ter seu cenário atualizado na celebração do 28º Capítulo Geral, que está ocorrendo de 12 a 26 de janeiro. As bodas continuam e Maria volta a nos dizer: “Fazei tudo o que ele vos disser”. Ir. Zenilda Luzia Petry – FSJ