História

Home » História

A nossa Congregação teve início na pequena cidade de Schweich, na Alemanha, no ano de 1867. Nasceu como resposta ao forte apelo de Deus para o serviço generoso aos irmãos e irmãs mais sofridos. Foi fundada por Madre Alphonsa Kuborn que, desde jovem, já demonstrava grande amor e compaixão pelos que sofrem.

Movida pelo grande amor e ideal de seguir Jesus Cristo, segundo o estilo de vida de São Francisco de Assis, iniciou a Congregação sendo presença de misericórdia junto aos pobres, doentes e órfãos, e junto às vítimas da fome e das guerras. Mulher forte, corajosa e cheia de confiança em Deus, Madre Alphonsa enfrentou grandes dificuldades, mas perseverou. Foi serva de Misericórdia, socorrendo a todos, na alegria do seguimento de Jesus.

Em 1926, um grande impulso missionário e um sentimento de evangélica compaixão trouxe as primeiras Irmãs Franciscanas de São José para o Brasil. A missão assumida foi o cuidado dos hansenianos no Hospital São Roque – Piraquara/PR, onde atuam até hoje.Em 1973, ouvindo o apelo do Papa Paulo VI que dizia: O Cristo aponta para Amazônia, assumimos nova frente missionária no Norte do Brasil. Em 1992, atravessamos mais uma vez o Oceano Atlântico, e fomos anunciar o Deus da Misericórdia ao povo angolano. E em 2004, chegamos a um país da América Central, Honduras.

Nossa história
Fundação

A Congregação nasceu na Alemanha, em 1867. Seu início se deu a partir do desejo de cinco senhoras que queriam viver uma nova forma de vida consagrada. Gradativamente a nova Congregação das Irmãs da Misericórdia da Terceira Ordem de São Francisco de Assis recebia candidatas. Madre Alphonsa era a formadora. Celebrava-se com muita alegria o ingresso das jovens ao noviciado e à profissão religiosa.

O primeiro Estatuto da Congregação foi aprovado pelo Bispo de Trier, Mathias Eberhard, aos 03/11/1869. Nestes Estatutos, além de questões muito práticas, transparece o espírito que perpassava a congregação nascente.

Perseguição

Circunstâncias históricas como o “Kulturkampf” ou luta pela cultura, um movimento anticlerical alemão do século XIX, que se estendeu por décadas, trouxeram dificuldades e fortes tensões entre a Igreja e o estado. Leis, decretos e controles estatais vigiavam rigorosamente os conventos e impediam a expansão de comunidades religiosas. As Religiosas não podiam ser estrangeiras e só podiam fazer votos com a licença do Estado.

Surgiram também conflitos de interesses em relação ao Hospital gerando diversas dificuldades para a Jovem Congregação.

Saída de Schweich

Madre Alphonsa decidiu sair de Schweich. Este fato foi muito doloroso para ela, pois algumas das Irmãs que iniciaram esta fundação, preferiram ficar em Schweich. Com a ajuda do seu irmão Pe. Francisco Kuborn, Irmã Alphonsa consegue abrigar sua Congregação numa casa em Beek/Holanda. A partida de Schweich, Alemanha se deu a 02/11/1875 e significou um renascimento!

A vida na Holanda

Em Beek, os tempos foram difíceis de muita pobreza, mas com a acolhida da população e a ajuda de benfeitores, a Congregação conseguiu estabelecer-se. As Irmãs ganhavam seu sustento com horta própria, escola de costura, confecção e venda de paramentos e alfaias de igreja, e funcionamento de um jardim de infância.

Em 1882, as Irmãs iniciam uma obra em Valkenburg, Holanda, a convite do Pároco local, Pe. Grispen. Esta casa se tornou referência como casa-Mãe da Congregação. Ali a Madre, com a ajuda das Irmãs e pessoas da localidade, construíram o grande Convento São José e o Instituto São José. No Instituto as Irmãs recebiam e cuidavam de crianças e idosos, e exerciam os serviços de educação e enfermagem. Observa-se que cada nova fundação era colocada sob a proteção de São José.

No Instituto São José, os pobres sempre tinham a preferência. O Convento também ganhou maiores proporções pelo crescimento do número de irmãs. A valentia e espírito decidido fez com que a Congregação se afirmasse e crescesse.

Mudança de nome

No tempo de Madre Alphonsa até 1939, a Congregação era denominada de Irmãs da Misericórdia da Terceira Ordem de São Francisco de Assis. A mudança do nome para Irmãs Franciscanas de São José se deu no governo geral da madre Stanislaus Sturm (1939-1944). Uma das razões da alteração do nome se deu para distinguir de outras congregações, pois muitas na época portavam o nome de ‘misericordiosas’ e, claro,em razão de uma justa homenagem a São José qu, desde os tempos de Madre Alphonsa, foi tido como especial provedor da casa, da vida e da vocação de cada Irmã. Aos 10 de abril de 1940, a Congregação foi consagrada a São José, ocasião em que ele foi proclamado Patrono Oficial da Congregação.